obrigado por sua visita........ricardo

TODOS OS TEXTOS ANTERIORES ESTÃO EM ORDEM ALFABÉTICA NO LADO DIREITO - É SÓ CLICAR

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

 

 

O TREM E O VELHO/GURI

O mundo em que hoje vivemos ainda impressiona o velho, mas não o guri que mora dentro dele.

Outro dia recebi um email de uma pessoa que visitando a Casa Cor de Palegre viu duas telas que lhe chamaram atenção. Estavam em um ambiente da feira e deu um jeito de descobrir meu email. Eram obras minhas, doadas a Fundação Semear de Novo Hamburgo.  Não sabia que lá estavam.

O que chamou-me a atenção foi que a pessoa que me contatou passou a sua vida próxima a trens pois sou pai era um chefe de estação tendo morado com a família em Novo Hamburgo, administrando sua agencia.  Reconheceu a estação pintada na obra e se emocionou. Daí o contato para me falar a respeito.

Cresci próximo da estação de trem,  hoje no centro da cidade, que se formou ali a partir dela. Infelizmente desapareceu ao contrário de outras cidades que as preservaram.

Foi para salientar como o trem foi importante para a região que pintei muitas telas e três grandes painéis que estão no meu acervo.

Fiz também sob encomenda  um outro enorme composto de dezoito telas  grandes ( 0,90 x 0,90 m ) compondo painel com  um total de 5,40 m de altura por 2,70 m de largura. Está no Centro administrativo da cidade desde a virada do século quando foi inaugurado o prédio. O trem ocupa com destaque a parte central do mesmo.

As novas gerações desconhecem a importância do trem para a cidade e região. Quando posso falo e faço novas obras a respeito. Foi o caso da obra que comento no início.

O guri que acompanha o velho que sou vibra quando tais fatos voltam á cena. São formas de resgatar e salientar o trem no vale dos sinos que não seria o que é hoje não fosse a iniciativa de empresários e colonos emergentes do século dezenove. Tomaram a iniciativa de formar uma Companhia com ingleses e apostaram dinheiro para viabilizar o projeto.

Quando isto aconteceu, entre a idéia original  e a chegada efetiva do trem a NH passaram-se  menos de cinco anos. Hoje em pleno século vinte e um recém chegou o tão falado e polemico metrô.

São outros tempos e hoje “burrrrrocracias” tem que ser vencidas e alimentadas.

 

RICARDO garopaba BLAUTH

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

PONTE DE LAGUNA


Esta é a atual visão da ponte que vai nos levar em breve a Garopaba  sem as demoras atuais
Para quem, a mais de quarenta anos frequenta as praias da região parece incrível que realmente um dia a estrada duplicada, prometida há décadas fique finalmente pronta na metade do ano que vem.
A ponte é belíssima e seu acesso norte já está em uso.
Porto Alegre – Garopaba  será um passeio logo mais.
Que os que para lá forem respeitem sempre a natureza com respeito. 

Ricardo garopaba Blauth

quarta-feira, 19 de novembro de 2014


 
VEIO POR EMAIL
 

Foi um surpresa agradável

Já não mais lembrava

De a ter criado

Linhas simples

Uma síntese do que amo

Cidade que coloquei no meu nome

 

Está hoje em casa hospitaleira

Assim me contaram

Deve estar feliz

Distribuindo energias

Que emana a quem

Ama viver prazerosamente

 
Ricardo garopaba Blauth

terça-feira, 18 de novembro de 2014

 
viver,,,amar,,,voar......


 
cores estão na ar / felizes por mim / festejando êxitos / nas tarefas que me propus / futuro?..... / momentos seguintes dirão
viver,,,amar,,,voar......

 

namastê

segunda-feira, 17 de novembro de 2014


 
MANOEL DE BARROS-ETERNA CRIANÇA 

Mais um que partiu / criança sempre / mas com seu “manuelês” / deixou  muito / para nossos olhos lerem / e nosso cérebro se deliciar / com suas palavras fantasiosas

Olhe para o cabeçalho deste face / e vejam a maneira prazerosas / de sentir energias fluindo / das suas “memórias inventadas

Venceu sua validade nesta planeta / mas temos conosco seu legado / seus ensinamentos de deixar / a criança eternamente solta / dentro de nós

Uma curiosidade tenho / é saber como outros povos / outras culturas / outras línguas conseguirão ler / seu peculiar “manuelês

É coisa nossa / brasileiro pensador / eterna criança / fazendo seus próprios cadernos / onde colocava genialmente / sua criança marota

Seus pequenos textos / é algo / a ter sempre a mão / para sentir vida fluindo / prazerosamente / como este poeta-criança / viveu entre nós

Fique em paz / amigão das palavras mágicas  / minha criança interior te saúda / esteja onde estiveres

 

Ricardo garopaba Blauth

domingo, 16 de novembro de 2014



 
tudo que que já pintei
tudo que já criei
tudo que já aqui produzi
é nada comparado
com a realidade
que seres com sensibilidades
podem aqui usufruir
cada canto
cada lugar
é especial
esqueça multidões
em datas específicas
e verá que
sempre haverá
onde sentir
perceber
e receber
as energias que
por aqui fluem
 
ricardo garopaba blauth

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

CLARICE LISPECTOR & GAROPABA

Outro dia em entrevista com um psicólogo para um concurso, recebi dele seu cartão para continuarmos em contato dado o prazer que foi a conversa e no verso escreveu o nome de um livro da Clarice que acabei de comprar.

Garopaba onde agora estou possui uma livraria que muitas cidades maiores que esta não possuem.  Até seu nome é sugestivo, pois Navegar entre suas prateleiras garimpando é um prazer inusitado.

Comprei o livro recomendado e  escrito por ela em 1969 com um titulo que  promete “Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres” a este escriba-artista,  curioso e eterno aprendiz de prazeres de viver.

Quando já aprendi e me foi dado conversar e compartilhar neste poucos dias em que estou aqui providenciando burrrrrrocracias, necessárias para inventário.

As casas e ateliers que construímos aqui me abrigam agora em que providencio documentações para futura venda.

Garopaba entretanto está tão fundo em meu coração que quero aqui permanecer em outra propriedade que temos repleta de natureza pura, a maior parte ainda intocada e que assim continuará. 

Ricardo garopaba Blauth

 

quinta-feira, 13 de novembro de 2014


 
AINDA SOBRE GAROPABA

Eu próprio fico surpreso há quanto tempo conheço Garopaba.

Hoje aqui nas propriedades que compramos e construímos fico a pensar que o tempo é algo diferente para cada um.

Constato feliz que sinto momentos novos chegando e cada vez mais valorizo o que já fiz.

Organizando tudo para o verão, com inventário ficando cada vez mais próximo de se completar, usufruo estar aqui e rever amigos e realidades.

Em setenta e cinco, quando já éramos hospedes freqüentes da natureza daqui, acampando na Ferrugem totalmente “selvagem”.........

A igrejinha hoje tombada pelo patrimônio que é, continua de pé e na sua frente passo quando vou para a Vigia onde ficam nossas casas e ART3.

Fico ainda mais feliz por ver cada vez mais pessoas vindo aqui residir.

Quem chegou em definitivo foi uma menininha, que mais de quarenta anos passados brincava com as minhas, ao redor das barracas armadas na Ferrugem. Hoje adulta, veio com marido,  que inteligentemente auto-aposentou (como eu....rsrsrsrsrr) para fazer o que ama junto com ela, sua esposa que é a menininha que mencionei acima.

Garopaba tem uma “magia” que sensibilidades conseguem perceber e usufruir.....por isso mesmo vendendo as propriedades da Vigia, ficarei sempre por aqui, na outra grande propriedade que tenho no lado norte da baia.

Viva a vida que ainda tem muito a proporcionar por que a ama e respeita.

 

Ricardo GAROPABA Blauth

quarta-feira, 12 de novembro de 2014



 
MINHA GAROPABA

 Esta é a minha Garopaba / casa grande, casa de hospedes e atelier / na Vigia / que agora das filhas também é / com inventário ficando pronto / e que será oportunamente / colocada a venda..........

As fotos / foram tiradas / da sacada da casa de hospedes / onde também está o ART3

venha nos visitar / no ART3 / Atelier Ricardo Therezinha Três Filhas Artistas / Sofi, Bala, Nina / que continua ativo / o ano todo aberto /  agora com neta Bárbara e seu namorado Mohamed

conhecerá então / o visual do paraíso  / que é isto aqui / e porque nunca deixarei a cidade que amo / fazendo nova morada / no lado norte da baia

venha / estamos todos / que amam Garopaba / lhe esperando
 
Ricardo GAROPABA Blauth

segunda-feira, 10 de novembro de 2014


 
RUMO A GAROPABA

Quem vem de do sul rumo a Garopaba deve passar por aqui, Laguna,  onde está sendo construída uma ponte que será, certamente referencia arquitetônica.

Dentro das realidades brasileiras, está em avançado estágio e talvez, na metade do próximo ano estaremos sobre ela rodando.

Uma viagem direta de Porto Alegre onde moro até a Garopaba que amo será “coisa” de quatro em viagem sem paradas.

Passando por lá a dois dias vi as torres que sustentarão os cabos já erguidas.

A visão de sua altura sobre o mar, mais a graciosa curva, dão ao conjunto uma visão agradável.

Gosto de viajar e bem acompanhado tudo fica melhor.

Quem sabe viajamos juntos nas próximas vezes?

Vir a Garopaba e usufruir as dez praias e lagoas da região, mais os amigos que por aqui moram e maravilhoso.

Sempre manterei um “pé” por aqui..........

 

Ricardo GAROPABA Blauth

sábado, 8 de novembro de 2014

 


ricardo GAROPABA blauth
 
coloquei Garopaba no meu nome
pois está sempre na minha mente
na ponta dos meus pinceis e tintas
espalhando suas imagens
pelo "mundo a fora"
 
mesmo após vender
a casa da Vigia
para o felizardo que a comprar
continuarei com um pé lá
pois Apoena no Morro da Embratel
continuará na família
 
um refúgio para um inquieto
onde darei vazão
ao meu amor por esta cidade
 
estarei por lá toda semana que vem
abraçando a neta e sus alunos
e os que visitam ART3
que ela está cuidando
 
vou rever amigos
"matar saudades"
encher os pés de areia
mergulhar nas águas
das dez praias
deste lugar especial
 
 
ricardo
 
 
 
 
 
 
 
 

 
 

terça-feira, 4 de novembro de 2014


.....VELHA COM ALMA DE DONZELA

A frase acima é de um conto, “Maria, a Boba” que fala desta personagem de Eva Luna, excelente contadora de histórias, que é por sua vez é uma pessoa surgida da imaginação outra, esta sim real e cujos livros não canso de ler e reler.

Eva Luna foi o primeiro livro que li de Isabel Allende.

Tenho uma bela coleção de seus livros, muito manuseados pelas sucessivas leituras e releituras.

Descubro em cada novo encontro com seus personagens coisas que me fascinam e tornam o ato de ler em momentos prazerosos que me fazem perder a noção de tempo.

Algumas vezes o cansaço físico me vence e sem notar cochilo com livro sobre a face.

Ainda não me rendi à leitura no computador e espero possa sempre ler com livros, seus cheiros e textura fazendo parte do prazer.

O computador está hoje fazendo parte da vida diária para minhas catarses diárias que acabo postando no Face e no Blog.

Perdi a conta de quantos textos curtos e atemporais escrevi desde junho de dois mil e sete.

Por vezes me vejo fazendo crônicas em pensamento e que sempre ficarão comigo ou sairão em outras palavras mais adiante.

Sinto prazer em escrever. Deixo que palavras surjam e que viagem como e onde quiserem.

Namastê.



Ricardo garopaba Blauth

segunda-feira, 3 de novembro de 2014


 
RECORDAÇÕES DE VIAGEM #1

Quando viajamos a maioria fotografa registrando assim o que viu ou sentiu.

Em 1987 durante viagem de meses por toda costa brasileira, minha mente, bloco de rascunhos e maquina fotográfica ficaram cheias de cenas uma das quais se tornou uma gravura pochoir da série “arquitetura”.

É uma cena de um prédio do centro histórico de Paraty – RJ.

Portas e janelas renderam inúmeras obras que multiplicadas pela técnica do pochoir dá a cada uma resultado único pois todo trabalho é realizado pelo artista, ao contrário de serigrafias, litos e xilos.

Eu  as chamo de gravuras e as numero como tais, mas na realidade são obras originais multiplicadas.

Tive o cuidado de guardar uma de cada edição feita e hoje minha coleção de “Gravuras Pochoir” está no meu apto em Porto Alegre e será uma alegria um dia no futuro mostrar todo conjunto que é grande, sendo a maioria de obras esgotadas espalhadas Brasil e mundo afora.

Faço aqui um pedido aqueles que tem um obra minha a fotografe no local onde está para que eu possa mostrar aos meus amigos do Face o lar das minhas obras produzidas desde 1986.

Sempre gostei de viajar e hoje minha filha do meio, Simone (bala) junto com seu marido Ita Kirsch, continuam publicando em livros as fotos que colhem Brasil afora.

Sempre gostei de viajar.

Sairei em breve com mínima bagagem, compartilhar com pessoas em novas culturas minhas experiências e vivencias.

Você irá junto. Pode crer.

Ricardo garopaba Blauth

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

 
ETERNO DESAFIO DA IGNORÂNCIA CONTRA O CONHECIMENTO
 
Sempre haverá algo que desconhecemos e num mundo em constante rapidação a busca dos novos conhecimentos é fator decisivo para o sucesso ou insucesso do que realizar-mos.
 
Boa parte do nosso dia deve ser dedicado a leitura e estudos afim de generalisticamente estarmos ao par das mudanças que estão ocorrendo em todos os campos da atividade humana.
 
A frase que intitula esta cronica ouvi de um medico que a disse com seriedade, mas cheio de bom humor.
 
Lembrei da oração atribuida a S. Francisco "ter forças para aceitar inevitáveis, coragem para mudar os possiveis e sabedoria para saber as diferenças".
 
Sou um eterno otimista e gostei de ouvir deste médico a frase do titulo.
 
Estávamos comentando os erros médicos daqueles que não estudam e leem após formados, causando danos "involuntários" por vezes irreversíveis, para pacientes que neles confiam.
 
Posso aceitar o que não tem mais volta, mas vale "gritar" verdades que poderão afastar erros futuros.
 
Cada um de nós pode e deve fazer sua parte. Ler, ser generalista e procurar saber mais sobre "soluções" propostas. Saber em quem confiar, perguntando questões pertinentes e esclarecer todas duvidas antes de começar tratamentos que podem causar danos ao invés de curas.
 
Aumentar nossos conhecimentos vale para tudo, mas com relação a nossa vida certos erros por ignorância é algo inaceitável.
 
Vida é uma só.
 
ricardo garopaba blauth

quinta-feira, 30 de outubro de 2014


MARIO QUINTANA


Já foi um majestoso hotel na principal rua da capital dos gaúchos, onde agora moro e é hoje um Centro Cultural com uma agenda intensa ocupando o enorme prédio.
Cinéfilo venho aqui com freqüência a uma das quatro pequenas salas de cinema, sempre apresentando filmes que raramente alcançam o ciclo comercial.
Porto Alegre tem proporcionalmente ao numero de habitantes, mais salas do que São Paulo. Uma dos motivos que me fizeram decidir por aqui residir foi isso, mais o aeroporto, que é porta de saida ao mundo e fica logo ali a minutos de onde moro.
Um grande amigo, meu mestre Caé Braga, ao saber do porque tinha colocado Garopaba no lugar do nome do meio, deu uma enorme risada e qual Mario Quintana fez um o seguinte comentário ...." ricardo edmundo blauth / se queres " viajar" e compartilhar / era só transformar em verbo / a primeira letra do nome do meio / e acrescentar uma vogal....ricardo É DO MUNDO ......"

Aqui no centro cultural Mario Quintana recordo a lição que o poeta nos ensinou.........."não basta apenas viver...é preciso também sonhar"

ricardo garopaba É DO MUNDO blauth

 

quarta-feira, 29 de outubro de 2014


 
DOIS ANOS DEPOIS 

Dois anos se passaram depois que cheguei neste local pela primeira vez, Museu do trabalho em Porto Alegre-RS onde o mestre Caé Braga transmite aos seus alunos conhecimentos para usando as mãos e barro criar formas de arte e assim ocupar mente.

Fui sabiamente aconselhado a interagir com pessoas fazendo o que adoro, vencer desafios. Assim comecei aqui a reconstrução de uma nova vida sem sucumbir.

Com minhas mãos inquietas ocupadas meu cérebro, minha mente me deram forças para aceitar o que eu não podia mais mudar e seguir em frente.

Aos poucos fui encontrando novas formas de viver e amar, interagindo comigo mesmo, com pessoas e realidades.

Obrigado meus anjos da guarda que minha criança interior ainda acredita, obrigado Cristo, obrigado minha família e obrigado a todos com quem comparti minha dor. Recebi energias que me tiraram do lado do corpo da minha esposa e me trouxeram às primeiras pessoas com quem interagi fora do hospital, alem dos meus familiares.

Citar nomes ? Cada um sabe no fundo do seu coração o que representou para mim.

Obrigado......namastê............

 

Ricardo garopaba Blauth

terça-feira, 14 de outubro de 2014



 
ENCOMENDAS 

Sempre gostei de desafios e vejo hoje a caminho dos oitenta que cheguei até aqui construindo com aquilo que surgia a minha frente.

Foram muitas obras que realizei a partir de propostas que me eram feitas.

Quando seduzido por algo nunca foi o aspecto financeiro o maior entrave, pelo contrário, realizava o trabalho com um prazer redobrado, como neste caso que realizei um painel para um cliente que trabalha com confinamento de gado e este satisfeito, pouco tempos pediu mais outro sobre o mesmo tema.

Quando realizo uma encomendo entro em imersão total sobre o assunto, fazendo pesquisas de campo, tomando fotos e fazendo rascunhos de como apresentar o tema de forma lúdica.

As obras acima são telas individuais montadas de maneira a poderem ser transportadas com facilidade se for necessário.

Estas montei no próprio local depois de tê-las transportadas no meu próprio carro.

A variedade de assuntos que já abordei em telas que transformo em painéis é grande, pois adoro contar histórias para que empresários e famílias tenham em uma pintura a sua trajetória contada de forma diferenciada.

Criar é inerente a todo inquieto que encontra no fazer prazerosos momentos de alegria e satisfação indescritíveis para os “normais”.........
 

Ricardo garopaba Blauth

segunda-feira, 13 de outubro de 2014


 



ALEGRIAS DE UM DESAFIO

 

Bratislávia é a capital da Eslováquia e fica a menos de cem quilômetros de Viena -Austria.

Pois um dia no passado recebi na Aldeia das Artes na ocasião meu atelier e residência em Dois Irmãos –RS,  a visita de uma empresária brasileira que tem altos negócios com estes país.

Queria no seu escritório em Belo Horizonte - MG algo que a lembrasse constantemente do país europeu que adora e para onde remete produtos brasileiros.

Foi-me recomendada por arquitetos que faziam a reforma do seu escritório e a quem sou grato.

Recebi uma coleção de livros sobre o país europeu e comecei imediatamente os rascunhos até chegar ao resultado que preenchia as aspirações da empresária.

Como sempre realizar o trabalho na Aldeia das Artes, atelier agora vendida, me encheu de alegrias, pois todo processo de fazer os painéis e sobre eles colocar o tecido das telas foi lá realizado, assim como ter condições plenas de pintar uma obra de bom tamanho.

Coloco aqui algumas fotos do meu atelier de pintura no qual temáticas diversas realizei e também da própria Aldeia, onde ao construí-la coloquei toda a alegria do fazer prazeroso.

Acredito que somente conseguiremos transmitir no nosso trabalho energias, se ao realizá-lo estivermos em sintonia com o prazer de viver, em sintonia com o universo.

Compartilhar e aceitar desafios serão meus objetivos enquanto o prazo de validade a mim destinado estiver em vigência.

Venha compartilhar e conversar.

Adoro jogar conversa fora com que tem algo a compartilhar e desafios a oferecer.

 

Ricardo garopaba Blauth

domingo, 12 de outubro de 2014


 
SER CRIANÇA.......SEMPRE 

podemos / devemos / é possível / saudável / natural / ter prazeres / alegrias

crianças não tem medos absurdos / os que tem / os sabem protegidos / por amor

confiar em si mesmos / ser soltos na imaginação / acreditar em amigos / nossas outras crianças / com quem brincar

obrigado Cristo / por me proteger / desde sempre / com teus anjos / que sinto / sempre comigo
 

Ricardo garopaba Blauth

sábado, 11 de outubro de 2014


 
LINHAS, LETRAS E CORES
 

Mão tentava desenhar uma mandala e mente distraída com tudo que ia em seu interior fez surgirem letras que tentavam formar palavras

Por fim um mau registro fotográfico traz o resultado para vocês
 

Ricardo garopaba Blauth

SER DIFERENTE

 
Diferente é / como todos / em personalidade / quereres e saberes / porem nunca  indiferente /   perante realidades / a viver / usufruir

Ser diferente / como cada um o é / aceitando e potencializando / o que lhe dá prazer / alegrias / levará vida a patamares / aparentemente inalcançáveis

Ser diferente / como a cor verde / o é da cor rosa / sabendo que é verde / resultado  da união / do azul e amarelo

Ser diferente sabendo / valorizar e respeitar diferenças / que nos fazem crescer / e ser únicos

 

Ricardo garopaba Blauth

sexta-feira, 10 de outubro de 2014


 

FELICIDADE EXIGE VALENTIA
 

Recebi a  frase acima num email de amigo. 

As quatro palavras tão fáceis de dizer mas quantas pedras no caminho para fazê-la se tornar realidade. 

Sabe aquela sensação, de que o que você está lendo foi você que pensou e escreveu ? Foi o que aconteceu quanto li. Por isso reproduzo abaixo o texto. 

A felicidade exige valentia.

"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes mas, não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo, e posso evitar que ela vá à falência. Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida. Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um "não". É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta. Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo..." 

O autor segundo o remetente do email foi Fernando Pessoa, mas como tudo da internet fica a dúvida. Não importa. O que ali está contido posso assinar junto com quem a criou.

Guarde as pedras sejam quais forem.  Construa “castelos”, mas caminhe sempre  em frente,  valente consigo mesmo. 

 

RICARDO garopaba BLAUTH

quarta-feira, 8 de outubro de 2014


 

 
ESPAÇOS

No meu apto estou colocando obras do meu acervo em locais ainda disponíveis.
Como vão surgindo novas de uma nova série ainda sem nome, mandalas & natureza talvez, até a porta da cozinha entrou na dança.
Aqui uma visão de quando estou no fogão.
Adoro cozinhar olhando para todos os lados.
Ainda não coloquei nenhuma obra no teto.
Ainda não........rsrsrsrsrsrrsrsr 

ricardo garopaba blauth

terça-feira, 7 de outubro de 2014


 





COR PRETA NÃO EXISTE 

As três cores primárias, todos sabem, são amarelo, vermelho e azul. Destas surgem às outras pela união de uma com outra. Isto pode ser conferido olhando as cores do arco-íris. Lá estão elas acompanhadas das cores complementares. Branco é, aprendemos na escola, à soma de todas as cores e preto a total ausência de luz. 

Porque estou falando nisto? Ora, artista que sou pinto e para exercer esta atividade uso o que a imaginação humanamuito criou para representar as cores. Tintas. 

Criadas há muito tempo por excelentes artesões-alquimistas a partir de pigmentos, hoje estão a disposição de todos, para que colocados em substratos (bases) possam ser vistas artificialmente. 

Poucos param pra pensar o que aprendemos na escola. nos foi ensinado e demonstrado que existem somente as três cores primárias que não podem ser desdobradas e que todas as restantes são somas de uma com outras. Senão vejamos. Uma sala está toda pintada de branco, é noite sem lua, e a luz elétrica (artificial) é apagada. Que cor a sala é agora ? 

Quando pinto uma tela, começo com uma lona preta que preparo adequadamente, sobre o qual desenho com lápis pastel seco de cor clara. A seguir vou aplicando as cores artificialmente produzidas, colocando-as sobre a tela, como se luz fossem. O resultado você pode conferir em trabalhos meus prontos em que foram removidas as linhas inicialmente desenhadas. 

A luz pode ser estudada, desdobrada, a escuridão não. Esta é absoluta, um nada. Dentro desta premissa, alem de pintar sobrepreto” colocando as cores como se luz fossem, procuro agir assim também no meu dia a dia.  

Evito falar em fatos ou aspectos negativos (escuros) e dando ênfase, luz sobre aspectos positivos. Pense, num teatro, num circo, num show, numa cena de novela onde está à luz, o foco da atenção? Concentrada, onde quem dirige o espetáculo, quer que você tenha sua atenção. Os “holofotes” estão todos concentrados onde o que se quer salientar está acontecendo.

Que talgastarnosso tempo, nossas energias somente com aspectos positivos do que se , , ouve ou vive. Ponha sua atenção, seu foco, sobre o que pode ser construtivo, sobre o que pode somar ao invés de dividir, diminuir.

Ponha a “luzsobre o “ser” ao invés do “ter” e ficará surpreso em ver como tudo pode aparecer com novas cores, novas nuances desconhecidas e prazerosas. 

Ponha maisluzesem sua vida, some vidas ao invés de dias. Saliente o positivo, não dando espaço do negativo. 

O mundo, o planeta, a vida que estamos tentando preservar agradecem. 

Seus filhos, netos e outros que virão terão mais cores, mais luzes para apreciar, mais prazeres a usufruir.
 

RICARDO garopaba BLAUTH